3 minutos de leitura

Uma dúvida muito comum entre empresários é sobre o alcance da proteção das suas patentes.  É importante entender que a proteção das patentes é territorial. Isso quer dizer que, em geral, uma patente só te garante proteção no país onde ela for depositada. Para estender sua proteção para outros países, existem dois procedimentos possíveis:

1) Depósito diretamente nos países que deseja proteger a sua patente por meio da Convenção da União de Paris (CUP)

A convenção da União de Paris foi assinada e criada em 1883 e foi o primeiro acordo internacional relativo à Propriedade Intelectual. Ela conta atualmente com 173 países signatários, incluindo o Brasil. Esse acordo garante que, caso você deposite uma patente em um dos países signatários, você tem até 12 meses para depositar a patente em qualquer um dos outros países signatários, garantindo como data de prioridade a data do pedido inicial. Apesar do acordo, cada um dos países tem autonomia para decidir sobre a aceitação da patente e as exigências formais e técnicas que serão feitas.

2) Depósito por meio do Tratado de Cooperação em Matéria de Patentes (PCT)

O PCT tem como objetivo facilitar a o processo para empresas que desejam a proteção internacional de patentes. Atualmente 152 países fazem parte do PCT, incluindo o Brasil.

O tratado não garante uma patente internacional, mas facilita os trâmites de depósito, unificando o exame formal das patentes.  Além disso, com o depósito via PCT, você tem 30 meses após a data de prioridade para definir em quais países deseja depositar, contra 12 meses do depósito via CUP.

Porém, apesar das vantagens do PCT, o exame técnico das patentes continua sendo responsabilidade de cada país, que tem autonomia para definir as regras e tomar decisões quanto a patenteabilidade. Assim, é possível que a sua patente seja aceita em um país, mas a mesma invenção não seja aceita em outro.

Caso você deseje depositar um pedido de patente via PCT, isso pode ser feito utilizando o INPI como Autoridade Internacional de Busca e Exame Preliminar.

De forma geral, a proteção internacional não é tão simples e barata, mas é totalmente viável com o devido apoio de pessoas especializadas. O mais importante é avaliar o custo benefício do processo e entender se realmente a proteção internacional trará ganhos para o seu negócio.

Continue acompanhando nossos conteúdos! Acesse o link abaixo e entenda mais sobre registro de monitoramento de patentes:

https://ilupi.com.br/blog

Sobre o Autor

ARTIGOS RELACIONADOS

Como posso calcular o valor de royalties?

Nesses anos, temos observado que as abordagens tradicionais de valoração como apresentadas no artigo “Métodos de Valoração de Tecnologias” funcionam bem em contextos de transferência ou cessão de tecnologias e patentes (quando precisamos de um valor financeiro para a tecnologia). No entanto, essas abordagens têm limitações em situações de licenciamentos baseados no valor de royalties […]

Licença compulsória: definições e conceitos

Primeiramente, o termo quebra de patente não é o mais apropriado para tratar do assunto, uma terminologia melhor seria licença compulsória. Mas, o que isso significa? Licença compulsória: definições e conceitos Toda patente registrada por um órgão que regulamenta a propriedade intelectual terá um tempo máximo de existência. No Brasil, este tempo é de 20 anos […]

Divertidas e inusitadas patentes de invenções de Natal

Natal é um período especial para os brasileiros e pessoas de todo o mundo, seja por compartilhar do espírito natalino e de ano novo, seja porque todo mundo ama fazer compras e ganhar um presente. Por causa disso, muitos inventores, percebendo o momento ideal, registraram patentes de vários inventos diretamente relacionados ao Natal e as […]

envelopephone-handset linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram