Por Ilupi
4 minutos de leitura

Quando se inventa algo novo, não óbvio e com aplicação industrial , o inventor pode patentear sua criação para usufruir financeiramente e exclusivamente (por tempo determinado) dessa invenção.

O primeiro passo para se patentear uma invenção é descobrir se o que você está planejando registrar já existe, tanto no Brasil quanto no mundo, para somente depois começar o processo. Essa busca é feita para investigar o estado da técnica de uma tecnologia. Vale dizer que nem tudo pode ser patenteado, como por exemplo, ideias abstratas ou técnicas cirúrgicas e terapêuticas. A seção de perguntas frequentes do INPI possui um texto mais detalhado sobre o assunto. Vale uma leitura rápida!

Diante da quantidade de invenções que são patenteadas anualmente, é preciso que exista um sistema para organizar, catalogar e arquivar os documentos de patentes, possibilitando uma maneira de buscar informações sobre uma determinada tecnologia de forma mais fácil.

Para resolver essa situação, em 1968, a partir do Acordo de Estrasburgo, foi criada a International Patent Classification (IPC), no Brasil chamada de Classificação Internacional de Patentes (CIP). Essa classificação funciona como um catálogo para especificar o conteúdo técnico de uma patente. Assim como o CEP serve para nos ajudar a encontrar um endereço de uma casa, a Classificação Internacional de Patentes (CIP) nos ajuda a encontrar o conteúdo técnico de uma patente.

Quais são os objetivos da Classificação Internacional de Patentes (CIP)?

De acordo com o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), a Classificação Internacional de Patentes tem os seguintes objetivos:

  • Permitir a busca e recuperação de documentos referentes às patentes;
  • Organizar todos os documentos de patente, para facilitar o acesso às informações tecnológicas;
  • Ajudar na investigação do estado da técnica em determinados campos da tecnologia.

Servir de base para a elaboração de estatísticas sobre propriedade industrial.

A Classificação Internacional de Patentes é dividida em oito seções:

  • Seção A – Necessidades Humanas
  • Seção B – Operações de Processamento; Transporte
  • Seção C – Química e Metalurgia
  • Seção D – Têxteis e Papel
  • Seção E – Construções Fixas
  • Seção F – Engenharia Mecânica; Iluminação; Aquecimento; Armas; Explosão
  • Seção G – Física
  • Seção H – Eletricidade

Esse sistema hierárquico de classificação de patentes, feito por letras e números, é usado em mais de 90 países e é útil tanto para pesquisa física quanto online. Vale ressaltar que um invento pode receber mais de uma classificação (quantas forem necessárias). Se não houver uma seção específica para o invento, ele será inserido na área que for mais apropriado.

Para exemplificar o uso da Classificação Internacional de Patentes (CIP), vamos analisar a patente de um coração artificial eletromecânico, que foi depositada em 02/02/1999 pelos brasileiros Aron José Pazin de Andrade e Denys Emílio Campion Nicolosi.

Essa patente recebeu duas classificações:

–  A61F 2/24

– A61M 1/10

  • Seção A: corresponde a invenções relacionadas com as  Necessidades Humanas.
  • Classe 61: relacionada com Ciência Médica ou Veterinária e Higiene.
  • Subclasse F: diz respeito a filtros implantáveis nos vasos sanguíneos; próteses; dispositivos que promovem desobstrução ou previnem colapso de estruturas tubulares do corpo; dispositivos ortopédicos, de enfermagem ou anticoncepcionais; fomentação; tratamento ou proteção dos olhos ou ouvidos; ataduras, curativos ou almofadas absorventes; estojos para primeiros socorros
  • Subclasse M: corresponde a dispositivos para introduzir matérias no corpo ou depositá-las sobre o mesmo, dispositivos para fazer circular matérias no corpo ou para dele as retirar; dispositivos para produzir ou por fim ao sono ou à letargia.

Seguindo a hierarquia da Classificação Internacional de Patentes é possível detalhar bastante cada invenção e catalogá-la, de modo que outras pessoas possam entender do que se trata a patente e buscá-la de maneira mais simples.

Ainda ficou com alguma dúvidas sobre a Classificação Internacional de Patentes e quer conversar com um especialista sobre o assunto? Entre em contato conosco e fale com um de nossos especialistas! Continue acompanhando as novidades do nosso site e blog. Siga nosso LinkedIn, canal no YouTubeInstagram e Facebook, para ter acesso a outros conteúdos como este.

 

Sobre o Autor

ARTIGOS RELACIONADOS

Como posso calcular o valor de royalties?

Nesses anos, temos observado que as abordagens tradicionais de valoração como apresentadas no artigo “Métodos de Valoração de Tecnologias” funcionam bem em contextos de transferência ou cessão de tecnologias e patentes (quando precisamos de um valor financeiro para a tecnologia). No entanto, essas abordagens têm limitações em situações de licenciamentos baseados no valor de royalties […]

Licença compulsória: definições e conceitos

Primeiramente, o termo quebra de patente não é o mais apropriado para tratar do assunto, uma terminologia melhor seria licença compulsória. Mas, o que isso significa? Licença compulsória: definições e conceitos Toda patente registrada por um órgão que regulamenta a propriedade intelectual terá um tempo máximo de existência. No Brasil, este tempo é de 20 anos […]

Divertidas e inusitadas patentes de invenções de Natal

Natal é um período especial para os brasileiros e pessoas de todo o mundo, seja por compartilhar do espírito natalino e de ano novo, seja porque todo mundo ama fazer compras e ganhar um presente. Por causa disso, muitos inventores, percebendo o momento ideal, registraram patentes de vários inventos diretamente relacionados ao Natal e as […]

envelopephone-handset linkedin facebook pinterest youtube rss twitter instagram facebook-blank rss-blank linkedin-blank pinterest youtube twitter instagram